Etiquetas

, , , ,

little_girl_and_hyde_by_lorenzomastroianni-d42yel0

Um pouco do universo da série Pandora, Controle Sobrenatural.

“O Radamanto era um lugar sombrio, perigoso até mesmo para um vampiro. Um mundo repleto de casas antigas de dois e três andares, ruas estreitas, postes de luz a gás como se ainda vivessem no século dezenove. Virgílio corria pelas ruas usando todo seu poder de vampiro. Desde que recebeu Zoe Lessa em seus braços sentiu muito pouco de sua presença. Era como se tivesse uma estranha nos braços. O fulgor que podia matá-lo, a doçura que o seduzia não existia mais, a vida abandonava seu corpo ferido. Naquele momento desejou ardentemente por dar-lhe seu sangue e devolver a luz que lhe foi roubada. Sabia que nada adiantaria, só a mataria, ou transformaria numa coisa bem pior que um anjo caído.

Quando chegou a casa de Dilan esmurrou a porta. Felizmente ele não demorou a atender. Na verdade estava acompanhando uma meio demônio rumo à saída. Estava apenas de jeans, a camisa aberta exibindo seu peito forte. Ao ver o vampiro se sobressaltou. Despediu-se da híbrida com um beijo apressado. Seguiu em frente mostrando o caminho para Virgílio. Ele o levou para a sala onde atendia como médico. O vampiro a colocou sobre a mesa de exames e quando puxou parte do cobertor. Viu a surpresa nos olhos de Dilan. Ele estava acostumado a lidar com situações parecidas com aquela, e até piores. Mas ver Zoe naquele estado o transtornou. O homem teve de conter as lágrimas de revolta, no entanto, quando falou estava no controle habitual.

– Vai ficar tudo bem querida – disse tocando seu rosto sujo de cinzas. – Vou cuidar de você.

A nefilim tremia de dor, os olhos estavam negros, lágrimas escorriam por sua face manchada pelas cinzas de suas asas. Ela parecia querer falar, mas não conseguia, estava além de suas forças.

– Saia Virgílio, as coisas vão ficar claras por aqui. É o tipo de luz com a qual não pode lidar.

O vampiro olhou Zoe uma última vez e se afastou, enquanto Dilan puxava a cortina para dar privacidade a sua paciente. O vampiro foi para a antessala. Sentou-se e cobriu o rosto com as mãos. Estava furioso demais para falar, pensar. A voz estava presa na garganta, o coração, o que restava dele estava oprimido no peito.

Dilan descobriu o corpo da nefilim com cuidado, sabia que esse simples gesto lhe traria mais dor. Não havia tempo a perder, ela estava agonizando. Retirou as luvas e deixou suas mãos expostas. Elas eram feitas de carne e osso, mas emitiam luz. Uma luz tão poderosa quanto a que Zoe Lessa possuía.

– Aguente firme Zoe – disse enquanto a luz de suas mãos aumentava de intensidade. – Vai doer um pouco.

O grito de Zoe Lessa atravessou a casa. E o coração do vampiro, que apertou os braços da cadeira onde estava sentado tentando se manter lúcido. A luz cresceu no corredor, Virgílio estava imóvel, o único indício de que estava vivo eram as lágrimas, que escorriam por sua face tingindo-a de sangue. Bastava esticar a mão direita e sentiria a carícia caustica do poder que Dilan arrastava consigo. A luz era somente a manifestação do seu poder. O vampiro em seu pesar jurava vingança”.

Anúncios