Belizário, Líder da Ourboros

Quando me pediram para falar do líder da Ouroboros, pensei, como falar dele sem spoilers? Difícil, porque parte da historia de Belizário vai ser contada no livro Alma e Sangue, Rainha dos Vampiros.

Belizário aparece à primeira vez na série Alma e Sangue, no livro o Pacto dos Vampiros. Mas ele é uma constante no livro “Os Caçadores”. Costumava postar o livro no site chamado Etextos.

O livro mostrava um dos Caçadores em missão. A Ouroboros é citada, mas sua organização não é descrita, afinal postei poucos capítulos. Mas lá Belizário já existia como líder. O cenário era sombrio e o Caçador uma criatura digna de respeito e medo.

No Pacto dos Vampiros Belizário sai de seu isolamento para apoiar uma ordem composta por mortais que tem em seu poder um perigoso artefato. O mesmo ficou sob sua custodia durante séculos passando de geração em geração. A líder dessa ordem é uma jovem chamada Joyce e foi para a Ouroboros que ela pediu ajuda quando sua ordem foi atacada.

A Ouroboros é tão antiga quando a organização dos vampiros e lobos e ao longo dos séculos os vem mantendo sob controle, buscando a paz e o anonimato de ambas as espécies.  O que não é decididamente uma tarefa fácil, os conflitos, lutas, ataques e mortes são uma constante e são controlados com a força dos Caçadores, que são o braço direito da Ouroboros.

Belizário é personagem enigmático, poderoso, respeitado, temido por ambos os lados, quase uma lenda viva. Seus feitos e lutas para manter a Ouroboros de pé os vampiros e lobos em paz trouxe-lhe respeito de ambos os lados.

Solitário, reservado o líder da Ouroboros jamais foi visto em companhia de quem quer que fosse. Não que não seja bonito, pois ele o é. Belizário é alto, forte, possui cabelos e olhos castanhos. Uma criatura realmente misteriosa, sombria e melancolia.

Belizário vem liderando a Ouroboros nos últimos dois mil anos. Sua real natureza é um mistério, afinal nem é lobo, nem vampiro, mas mesmo assim imortal.

Os Caçadores seguem suas ordens sem pestanejar, tem nele um líder único e capaz de dominar tanto vampiros como lobisomens. É sob suas ordens que eles são trazidos, treinados e feitos Caçadores. É diante dele e da Cúpula dos doze que eles fazem o juramente de proteger os mortais e matar os imortais que ousarem provar da carne dos filhos de Adão.

No livro Rainha dos Vampiros a saga desse personagem ganha uma nova dimensão e atinge seu ponto alto. Falar mais seria contar um grande mistério.

Em novembro conheceremos um pouco mais sobre Belizário e sua verdadeira origem.Espero que tenham gostado do post.

Tenho postado algumas resenhas, porque sempre sou perguntada sobre que livro estou lendo, ou já li, espero que estejam gostando.

Beijos mordidos,

A Rainha dos Condenados

O primeiro livro que li de Anne Rice foi Entrevista com o Vampiro. Minha mãe o comprou numa lojinha em São Luís – MA. Leu e adorou a historia, quando demonstrei interesse em ler o livro ela proibiu, afirmou que era pesado demais para minha idade. Na época tinha apenas quinze anos. E por mais que insistisse de nada adiantou. Por fim, ela o guardou consigo e eu o esqueci completamente, quando me lembrei dele já estava com vinte anos e ele guardado na estante da sala.

Mergulhei no livro com fome e expectativa e ele não me decepcionou me apaixonei pela escrita dessa autora sem igual e por seus personagens. Com o passar do tempo desejei ardentemente ver a historia nas telas do cinema e isso aconteceu. Assim que pude li o Vampiro Lestat e demorei um pouco a ler o resto de sua obra, algo que estou fazendo nesse ano. Terminei de ler recentemente a Rainha dos Condenados.

Minha curiosidade sobre o livro cresceu após ver o filme, que recebeu criticas dos fãs do livro e da autora. O vi como assisti Entrevista com o Vampiro, com a certeza que nenhum cineasta pode levar a tela o livro de um escritor na integra. Mas nesse caso houve uma mudança completa da obra escrita.

Quem já leu sabe do que estou falando. O filme tem apenas traços do livro. Foi como se juntassem três livros em um só e isso ficou bastante frustrante para quem leu a obra e conhece todos os detalhes.

Rainha dos Condenados começa quando termina o Vampiro Lestat. Então se você não leu o livro não leia a Rainha, certamente vocês ficarão sem informações preciosas e que vão facilitar seu entendimento.

O livro é continuação do Vampiro Lestat, que está no auge da sua gloria como roqueiro reunindo seus fãs para um show e desafiando todos os outros vampiros a se levantar. E eles levantam mesmo, inclusive a própria mãe dos vampiros Akasha.

Nesse livro praticamente encontramos todos os personagens dos dois primeiros livros e alguns novos. Veremos Marius, Daniel, o jornalista o qual Louise contou sua historia, como Pandora, as gêmeas Mekare e Maharet, David Talbot(Líder da Talamasca), Jesse Reeves, Santino, Kayman, entre outros.

Anne Rice tem seu próprio ritmo de narrativa, se você é fã vai ler rápido, se está conhecendo agora e não tem paciência com a historia completa de seus personagens vai achar cansativo. Já me acostumei com o ritmo da autora e gosto dos detalhes que ela cuidadosamente imprime em sua obra. Eles é que fazem os personagens serem tão deliciosamente apaixonantes.

O relacionamento dos vampiros é algo de único, o modo como se amam e odeiam tem as minúcias mortais. Chamo a atenção para o modo estranho e perturbador que Armand seduziu, por assim dizer Daniel. Vampiro, poderoso e belo ele envolve o pobre Daniel numa teia tão irresistível de amor e ódio, que esse se vê incapaz de fugir de seus encantos, mas o gosto da imortalidade é sem duvida perigoso.

O leitor vai passar de sonhos estranhos a rituais fúnebres, logo depois conhece uma seita sanguinária, vê a histeria coletiva e um show de rock onde o cantor é Lestat. A mistura é parte do charme da historia que nos leva para o passado e nos trás ao presente e SUS implicações. A certa altura da leitura se percebe concordado com coisas imemoriais, mas que estão cheias de grandes verdades e crueldades. E que hoje já não são aceitas pela humanidade. Certamente vai julgar como eu julguei alguns dos personagens e se sentir incomodada com Akasha e suas idéias perturbadoras sobre o mundo que vivemos.

O importante é fazer pensar e ver o mundo pela ótica daqueles que são eternos e tem muito pouco a perder.

Jesse é uma personagem com o pé nos dois mundos mortal e imortal e nem sabe a dimensão disso na sua vida,ou o peso que terá. Ela nos traz um pouco da historia de Louise e Claudia e dos segredos da Talamasca. Suas descobertas nos tocam e nos envolvem mais ainda no livro, ao ponto de nos perguntarmos se os vampiros realmente não existem fora da fantasia.

O desfecho final do livro é bastante surpreendente e vale a leitura. No fim me senti recompensada e com saudade da historia. Livros são doces amigos que queremos guardar sempre perto, definitivamente a Rainha dos Condenados é um deles.

Beijos Mordidos

A Princesa de Marte

Quando era criança gostava de tocar as figuras dos livros infantis. Lembro de uma imagem que mexia com minha imaginação, que me fez vigiar formigas e insetos por meses a fio. No meu livro de alfabetização havia uma linda formiga vermelha que se protegia dos pingos da chuva com uma margarida.

Ainda lembro a cor, os traços feitos pelo hábil ilustrador em pastel, lápis e temperas tão suaves para retratar aquele pequeno ser protegendo-se da chuva numa atitude tão humana. Tocava a imagem e quase podia vê-la se mover, evitando as poças, escondendo suas longas antenas sobre a textura delicada das pétalas da margarida.  A imagem me fazia imaginar milhões de enredos para aquela criatura vermelha e tão inteligente. O mesmo acontece com a narrativa de um livro. Edgar Rice Burroughs conseguiu fazer isso com perfeiçao em Uma Princesa de Marte.

Quando na segunda passada comecei a ler o livro a Princesa de Marte não tinha nenhuma referencia visual dos personagens, não busquei ver quem poderia ser o John Carter. Evitei propositalmente por se tratar de um livro de ficção cientifica. Acredito que a mente pode trabalhar melhor se imaginar por si mesma as palavras do escritor.

Nas primeiras páginas me senti meio que num filme de John Wayne, havia a poeira do  Arizona, os índios e a sensação de isolamento, que as planícies áridas dos grandes filmes de Faroeste conseguem transmitir ao expectador.

De um salto, somos levados para outro planeta, e ai sim, a ficção nos toma por completo e nos faz mergulhar no planeta vermelho, mais conhecido como Marte. As descrições são simples, mas precisas, não espere detalhes exagerados, somente o necessário para que você possa saber o que são os homens, animais e mulheres de marte. O planeta é agressivo, violento e por tudo eles lutam e se matam. Como o seu próprio nome nos faz lembrar o senhor da guerra.

O sistema aparentemente simples de vida dos “marcianos” é cheio de pequenas regras, por vezes cruéis e estranhas a nós terráqueos, mas parecem os fortalecer e cegar para a realidade e morte lenta do planeta.

John Carter é um herói, um soldado habilidoso que encontra em Marte diversas ocasiões para expressar sua bravura, honradez, lealdade e bondade.  Por algum tempo só me perguntava se ele não desejava voltar para a terra, mas em dados momentos percebemos, que ele não parece esboçar tal sentimento, como vemos em outros exemplos de personagens que são levados a outro planeta. John não se prende a tal obsessão e reage ao novo mundo com entusiasmo e coragem. As criaturas descritas no livro são exóticas e acredito que quando forem transportadas para a tela do cinema serão reproduzidas com perfeição.

Tenho um palpite que eles serão parecidos com os seres que vimos em Guerras nas Estrelas, de Jorge Lucas.

Ao longo de sua estada no planeta Marte ele faz amigos e inimigos, conquista a afeição dos animais locais com seus gestos de carinho e se torna um exemplo a ser seguido. A princesa é bela e exótica como manda Marte e as aventuras vividas por ambos nos faz querer o enlace que vem no momento certo. Os hábitos e costumes terráqueos e marcianos têm suas diferenças e isso causa algumas confusões entre o casal.

John Carter trava diversos duelos por sua própria vida e para salvar a jovem, bela e corajosa Dejah Thoris, a princesa de marte. O suspense no final do livro é inegável e massacrante, li as ultimas paginas quase as devorando para descobrir o mistério de John Carter e ao fim me senti estranha e perplexa.

Não faço ideia de como Andrew Stanton ganhador do prêmio da Academia® vai transportar a historia para a tela. A escolha do ator me agradou, ele está bem parecido com a descrição do livro, como o imaginei, a princesa está linda pelas fotos que vi.

O Filme já tem trailer que está aqui em baixo do post, o elenco traz nomes de famosos como Taylor Kitsch (‘X-Men Origens: Wolverine’) no papel título, Lynn Collins (‘X-Men Origens: Wolverine’) como a princesa guerreira Dejah Thoris, o indicado ao Oscar® Willem Dafoe (‘Homem-Aranha’) como o marciano Tars Tarkas.

Ano: 2010

A estréia é prevista para 9 de março de 2012.

Agora que já li o livro vou esperar ansiosa pelo filme.

Beijos mordidos!

Otávio, O Mestre de Jan Kmam

Dando prosseguimento aos pedidos hoje o post é sobre Otávio, Juliana Ribeiro fez o famoso dois em um, Togo e Otávio. Semana que vem teremos Belizário e eu já estou pensando como evitar spoiler, porque ele vai parecer no livro Alma e Sangue, A Rainha dos vampiros.

Herói ou vilão Otávio? Ao longo da série Alma e Sangue Otávio encontrou quem o amasse e odiasse. Seus modos sempre deixaram duvidas e remorsos. Culpa, mistérios e mentiras fazem parte de sua historia.

Velho e poderoso, ele viu Nero queimar Roma, viveu em Jerusalém quando Cristo foi preso e crucificado. Ele teve uma vida mortal e nela amou e foi amado, viveu e provou de delicias e terrores nos tempos da Roma antiga. Encontrou a imortalidade dentro da tragédia e por muito tempo se sentenciou silenciosamente por ser um vampiro, por não ter o poder de volta a vida e recuperar o amor perdido a vida destruída. Sobreviveu a sua própria queda e tortura, para ele a imortalidade foi o único caminho além da morte, uma sentença pesada.

Talvez por isso jamais quisesse assumir responsabilidades dentro do mundo vampiro. Prefere ficar ao lado do rei e vê-lo comandar o mundo dos vampiros. Entretanto teve de assumir seu lugar como Lorde, afinal ele tem mais de oitocentos anos, não havia como fugir.

Os vampiros se reproduzem através da morte, de onde renascem com um beijo sanguinolento e apaixonado. O resto é a febre, o delírio que muda os corpos, traz poderes, rouba sentimentos e velhos hábitos. É desse modo que os vampiros nascem, dentro de uma convulsão de morte, dor e até prazer. Algo está morrendo, algo sombrio está nascendo. Foi desse modo que Otávio transformou Jan Kmam, e Asti, sua amante.

Os anos o mudaram e ele redescobriu o amor e o prazer através de muitos amantes. Em seu olhar você pode ver o ciúme que sente de Jan Kmam, a quem deu sangue e poderes ilimitados a ponto de transformá-lo no favorito do rei.

Um vampiro alto, forte, de cabelos escuros, rente na cabeça, pele pálida, boca e olhar convidativos. Um personagem apaixonante, mas cheio de defeitos e crueldades, vigoroso, sedutor. Seus gestos são calculados e frios. Ele oscila entre a entrega total e a fuga. Oculta seu lado mais sombrio ate mesmo de sua amante e amada Asti.

Controlador ele  tenta de todas as formas mudar não só o seu passado, mas o futuro. O que ele não sabe é que sua historia e a daqueles que ama está fora de seu controle.

Beijos mordidos!

Fumaça e Espelhos- Contos e Ilusões de Neill Gaiman.

Não é novidade falar de Neil Gaiman e afirmar que ele é genial, que seus livros e contos são bons. Apesar das opiniões já formadas e do nome consagrado vou me ariscar a falar de um dos seus livros. Não minto, é o primeiro que leio. Mas já conhecia suas obras através de resenhas, comentários e de filmes como Stardust e Caroline.

Para lê-lo primeiro me livrei da impressão de que ele é bom e por isso você tem de gostar, segundo, ler e se divertir, sem deixar sua mente se transportar para a tela do cinema. Por quê?

Quando se vê o filme antes de ler o livro se tem a tendência a ficar com as imagens do filme e não as do livro. Pelo menos em alguns casos.

Comigo aconteceu isso ao ver e ler o “Senhor dos Anéis”… Mas isso é outra resenha, voltemos ao Neil, veja só, já fiquei intima. Ganhei o livro de um grande amigo, Eric Novello, o presente ficou na pilha por um ano, enquanto ele puxava minhas orelhas: Já leu? Eu estava entre o Alma 3 e 4, complicado ler. De qualquer modo, na última segunda-feira segurei na mão do Neil e deixei que ele me levasse pelo seu mundo.

O livro de contos “Fumaça e Espelhos – Contos e Ilusões” me surpreendeu logo no primeiro conto ele mexeu com minha cabeça do jeito certo, vários cliques foram acionados e comecei a entender parte da escrita do Neil.

Não vá pensando que é uma leitura fácil, você vai ter de pensar e fazer suas próprias conjecturas, ir além ou junto com o personagem, ou simplesmente aceitar o que ele fez, e é.

Ri e chorei lendo a “Cavalaria” e “O Lago dos Peixes Dourados e Outras Historias”, me identifiquei, talvez porque tenho e tive o prazer de conviver com idosos. Há uma sensibilidade única nesses dois contos. Quase palpável inocente e simples. “O preço” me deixou inconformada, curiosa e pronta para mais, quando o conto chegou ao fim, remexi o livro me perguntando se haveria continuação, em minha opinião, merecia. “A Ponte do Troll” é um conto para ler e reler sem pressa e compreender, que a vida passa bem depressa e deve ser bem vivida. “A Rainha das Facas” me deixou pensando por muito tempo em como as relações humanas são delícias e complexas e tão fáceis de desaparecer. “A Filha das Corujas” me deixou com aquela frase na cabeça: Bem feito!

Estou falando dos contos que mais gostei, ok? Nessa lista incluo ainda “Procurando a Garota”, esse tipo de visão todo artista tem, mas geralmente mantemos em segredo porque se revelarmos ninguém vai acreditar. “Arremate por Atacado” eu li pela primeira vez sabendo o final, porque de um modo extremamente cruel conheço a maldade humana. (estou rindo dessa sentença). “Apenas o Fim do Mundo Novamente” é uma historia de lobisomem como poucas que se vê por ai. Tem a dose certa de violência e fantasia exatas para misturar a realidade com o brilho da lua sobre o mar. “O Varredor de Sonhos”, “ A Sestina do Vampiro” é poético. O “Camundongo”, olha eu já passei por algo semelhante e me identifiquei demais com o assunto, matar não está na minha natureza, pelo menos por enquanto. “Gostos” é surpreendente, mas se você estiver atento vai perceber que é possível roubar as lembranças alheias e com elas se deleitar. “Bolinhos de Bebê” é assustador e tão real que precisamos de um tempo para compreender, que o escritor apenas brincou com a realidade e nos fez vê-la por outra ótica. O último conto, bem poderia ser a historia real de um conto de fadas. Fico me perguntando se os irmãos Grimm concordariam com essa versão para adultos.

Foi uma boa experiência, em dados momentos me lembrei do fascínio que Stephen King consegue jogar sobre quem lê seus textos. Neil Gaiman fez o mesmo, conseguiu unir a fantasia, terror e a realidade com sutileza. Já coloquei na minha lista de compras “Sandman” e “Stardust”, quero ler o que vi e tirar minhas próprias conclusões.

Beijos mordidos

Togo, O Líder da Ordem dos Pacificadores.

Abri espaço no blog para que os fãs pedissem post sobre seus personagens preferidos,algo que me deixou extremamente feliz, porque choveu pedidos.Os primeiros posts foram sobre Afrodite, Samael, Bruce, e hoje o post é a pedido de Juliana Ribeiro. Ela quer saber um pouco mais sobre Togo, o líder da Ordem dos Pacificadores.

Togo provavelmente nasceu no período Yayoy algo no ano 300 a.C, o nome provem de uma região em Tóquio onde foi localizados achados arqueológicos, que mostram o marco inicial da cultura de arroz em socalcos, como também um novo estilo de arte cerâmica. Togo era um simples camponês, que foi atacado e morto para renascer como vampiro em outra condição social. Viveu mais alguns séculos no Japão e por fim migrou para o ocidente.

O Livro o convoco e ele apenas seguiu seu chamado. Radamés o introduziu no mundo vampiro e não demorou muito para que assumisse seu lugar junto aos Poderes. Apesar da conduta séria e controlada, Togo já viveu seus dias de paixão e morte.

Ele representa minha paixão pelo Oriente e todas as suas faces. Tenho suas aventuras guardadas com muito carinho, mas admito que será um trabalho único as colocar no papel.

Quando Radamés foi afastado do cargo de líder da Ordem dos Pacificadores ele assumiu o cargo e desde então o exerce com sabedoria e controle absoluto. Mas Togo é bem mais que líder da Ordem, quando Radamés sumiu do mundo dos vampiros ele permaneceu ao lado de Detrich. Não concordava com sua postura, atos ou ordens, mas sabia que precisava ficar e proteger o Livro e a Ordem dos Pacificadores o melhor que pudesse. Ele sabia que outro rei viria e traria ordem ao caos, que o mundo vampiro havia mergulhado.

Silenciosamente ele esperou, e o novo rei veio e trouxe a paz tão esperada. Ao longo dos anos ele passou a respeitar, proteger e aconselhar Ariel Simon. O seguia sem medo ou dúvidas, afinal suas ordens jamais foram contra os poderes e sempre visaram à justiça e a manutenção dos Poderes.

Por séculos Togo tem sido um dos vampiros com os quais o rei dos vampiros pode contar e confiar sem medo. Ele chega a ser tão fiel ao rei que mais parece sua mãe. Para chegara ao rei é preciso primeiro passar pela analise do olhar de Togo. A ele nada escapa, seu raciocínio é frio e só visa o melhor para seu rei. Mas ele soube lidar bem com as crises e amantes de seu amado rei. O aconselhou e mesmo quando ele errou soube apoiá-lo e perdoar suas fraquezas e ajudá-lo a erguer-se de todas elas. Kara passou por sua avaliação e sabe bem quanto poder Togo tem junto ao rei.

No livro Kara e Kmam, Segredos de Alma e Sangue, durante uma visita de Jan Kmam a Château Coucher du Soleil, percebemos que ele estava acompanhado por uma mortal. Ele certamente tem seus segredos.

Algo que sempre me fascinou nele foi seu olhar, os cabelos longos e negros,agora com uma mecha branca. O modo que sempre se mostra calmo nas mais diversas situações e sua coragem para lutar. Seu amor incondicional pelos Poderes e por seu rei. Ele é incorruptível.

Nos próximos pots teremos Otávio e Belizário, o Líder da Ouroboros.

Sempre recebo e-mail de fãs perguntando o que leio, o que indicaria como leitura. Então resolvi fazer resenhas dos livros que já li e estou lendo atualmente. Breve, resenhas.

Beijos mordidos.

Lançamentos!

Fui convidada a participar de algumas coletâneas de contos, mas só pude aceitar duas, as demais recusei por falta de tempo. Estava trabalhando no último volume da série Alma e Sangue, A Rainha dos Vampiros. Então o tempo foi bastante curto.

A primeira delas é a antologia Anjos Rebeldes, publicação da Universo Editorial. Como o titulo já sugere os contos tem anjos como ponto central. Acho que foi o que me atraiu a participar, Anjos.  Gosto bastante do tema e tenho vários contos e até um livro sobre o assunto, não publicado. Meu conto na antologia chama-se “Na Terra Como no Céu”. Espero que gostem.

O lançamento da antologia Anjos Rebeldes será no dia 29 de agosto, segunda-feira, às 19h, na Livraria Cultura do Shopping Market Place (Av. Chucri Zardan, 902 – São Paulo – SP).

O Segundo conto vai sair pelo livro Sociedade das Sombras – Contos Sobrenaturais é uma antologia que reúne autores que participaram do programa da rádio Digital Rio e/ou se tornaram parceiros do blog Contos Sobrenaturais. Composta por contos dos mais variados, a antologia manterá a ideia do programa, que busca as mais variadas histórias sobre seres lendários ou não.  Meu conto na coletânea chama-se “A Escolha”, já em pré-venda.

E em novembro teremos o último livro da série Alma e Sangue, A Rainha dos Vampiros.

Beijos moridodos.

Bruce, o Lorde Vampiro

O post de semana passada foi sobre Samael, ele apareceu primeiro na série semanal Bruce, O Lorde Vampiro. Foi um pedido de Mandy Suju, hoje estou completando o post falando de Bruce, já que ele e Samael foram amantes.

Bruce nasceu na Irlanda e era herdeiro de terras e de um titulo. Sua origem é um mistério, ele jamais revelou o nome de seu mestre, nem mesmo para o rei, seu melhor amigo e confidente. A vida de vampiro jamais desagradou seu animo requintado e sociável. Não tem lamentações sobre sua condição de vampiro. Ele a abraçou com força e desejo e disso não se arrepende.

Provavelmente sua única frustração como imortal é jamais ter conquistado o coração de Jan Kmam como amante. Ele só o tem como amigo. Sua paixão pelo favorito do rei não é segredo no mundo vampiro, nem mesmo para sua atual amante, Kara.

Como o nome sugere Bruce é um Lorde em atos, palavras e cargo. Belo, elegante, educado, forte e extremamente sensual, esse vampiro sabe como ser amigo e amante de muitos. Ariel sempre o teve como um conselheiro.

Seus olhos cor de mel, seus cabelos cacheados são o tormento de Samael e de muitos e muitas que o amaram. O olhar doce já convenceu muitos a seguir por caminhos de prazer e sangue sem pestanejar. O amor dele e de Samael durou o suficiente para Bruce entender que jamais amaria outro além de Jan Kmam.

O rei, Ariel Simon conhece alguns de seus segredos inclusive o nome da única vampira que ele amou. Os motivos do fim do relacionamento que durou cem anos somente Bruce conhece. Hoje ele tem como companheiro de eternidade Martan.

Ao longo dos livros da série Alma e Sangue como Kara e Kmam, Segredos de Alma e Sangue,  o Pacto dos Vampiros e o Rainha dos Vampiros, Bruce se torna um personagem indispensável. Ele é amigo e quase um anjo da guarda de Kara, a quem se afeiçoou. Por Kara ele chegou mesmo a enfrentar Jan Kmam, o rei, e muitos outros para protegê-la.

Pelos amigos Bruce não mede esforços, eles são seus tesouros mais queridos. Guarda segredos de todos e tenta se manter neutro diante dos seus conflitos.

Ele tem suas próprias aventuras, um dia quem sabe eu conte todas junto com as de Ariel Simon.

Na próxima semana teremos Togo, o Lider da Ordem dos Pacificadores o pedido foi de Juliana Ribeiro.

Obs. A foto do post é de Lorde Byron poeta Britânico.

Beijos mordidos,