Etiquetas

, , , , ,

Como havia prometido aqui está o primeiro post sobre o livro Alma e Sangue, o Despertar do vampiro. O livro trás como personagens principais Kara Ramos e Jan Kmam, mortal e imortal.

Quero falar um pouco de cada personagem e vou começar com Kara Ramos, ela é restauradora e ao começar a reforma de um velho casarão abandonado, no centro da cidade de São Luís, mais especificamente na rua do sol, aqui uma boa coincidência, ela se depara com um vampiro. Jan Kmam aparece do sótão e a rapta.

Daí em diante o livro nos transporta para dentro do universo pessoal de dois seres completamente distintos. Jan Kmam frio, cruel, fascinante, extremamente sedutor, e até onde Kara percebe, sem nenhum medo da morte. Os dois personagens são complexos e cheios de pequenos e grandes mistérios.

Lidar com a personalidade de Kara sempre foi bastante contraditório para mim como escritora. Oras era fácil entender as nuances de sua personalidade, com suas mudanças de temperamento, outras nem tanto. Forte, decidida, teimosa, ela indicava claramente vontade e força suficiente para crescer e mostra a que veio. No entanto, sumia dentro de si mesma, mergulhada no luto pela morte do marido falecido há cinco anos. O que vi diante de mim foi uma mulher que se isolou tentando encontrar os motivos para o assassinato do marido e que não sabia lidar com a perda, a morte.  Kara tomou o caminho mais fácil em muitos momentos, a meu ver, se isolou manteve o marido vivo através de pequenos gestos nada inteligentes ou sadios. Talvez isso explique seu comportamento, que beira a bi polaridade, horas feliz e outras nem tanto, mergulhada no mais negro dos abismos.

Seu caráter foi forjado dentro de um ambiente saudável e lhe deu qualidades e gestos dignos de admiração e respeito. Bom caráter, responsável, perfeccionista Kara me conquistou e me fez segui-la sem medo dentro de seu mundo. Solitária, mergulhada no trabalho que passou a ser sua tábua de salvação, seu esconderijo. Sua obsessão pela morte do marido chegou a um ponto que ela assimilou ate mesmo seus vícios numa tentativa desesperada de mantê-lo vivo, ela passou a fuma e usa seu velho isqueiro. E a acreditar que estava tudo muito bem.

Sua fuga do mundo real tem um fim ao encontrar um ser que ate então era somente um mito, fantasia. Jan Kmam é bem real e vai escrever com sangue a palavra imortalidade na vida de Kara. Ela vai ter de lidar a principio com um homem diferente de todos que já cruzaram seu caminho. A tensão entre os dois vai de zero a mil em questão de segundos.

Jan Kmam é sem duvida uma rachadura na muralha que ela construiu em volta de si. Vampiro ele tem um conceito único sobre vida e morte. O choque é inevitável, os séculos deram a Jan Kmam não só poderes, mas a certeza que a morte, e a dor e o amor são imortais e que não importa quanto poder possua, tais males o tocam e ensinam ferindo sua carne de modo impiedoso. Mas somente ele é capaz de entender a dor, sua tristeza e ensiná-la a lidar com a morte e com a imortalidade.

O único problema é que Kara não está assim tão disposta a entender e seu comportamento passa a ser um elemento de atração e tensão entre os dois. A sedução latente no vampiro a choca e ao mesmo tempo prende. O medo se torna pequeno diante do desejo e da morte anunciada. Suas atitudes, as mudanças de opinião e atos impensados irritam o vampiro, que perde a paciência. Definitivamente ela não o trata como um vampiro. Isso a coloca em perigo inúmeras vezes.

Kara não vê a imortalidade como um convite irrecusável, o mundo pode não ser perfeito, mas ainda é uma opção. Como mulher ela tem sonhos de ser mãe e de ter uma família, mas parece que esse não era seu destino.

Eles estão longe de ser o casal perfeito, mas estão descobrindo que o amor, ódio, inveja e a morte são os ingrediente comuns a vida, e estão no caminho de ambos. Resta lutar e crescer ou sucumbir às adversidades.

Quem acompanha a série desde o primeiro livro viu mudanças na personagem, e eu acredito que ela cresceu e esta mostrando a que veio. Surpreendeu inimigos e ate mesmo Jan Kmam com mudanças radicais e até mesmo forçadas pelas circunstâncias e inimigos. Kara está crescendo a ferro e fogo.

Ainda me perguntam se tenho características de minha personagem, acredito que todos eles tenham algo de mim mesma. É impossível não se envolver, não dar o suor e o sangue a cada um deles. Nós duas temos muito em comum, esse ano percebi isso de maneira quase gritante, apesar de ter negado firmemente no passado. Os cabelos cacheados, a teimosia, a fé cega de que tudo pode mudar, o desejo, a paixão por Jan Kmam,como não amá-lo?

Kara é um pouco de cada mulher que busca crescer e ser independente, mas sem jamais abrir mão de sua individualidade e amor.

Na quarta-feira vamos descobrir um pouco mais sobre Jan Kmam, vai ser revelador.

Beijos mordidos.

Anúncios